Dia Internacional da Mulher

A imagem pode conter: 1 pessoa, sorrindo, em pé, atividades ao ar livre, texto e natureza

No dia 8 de março de 1857, operárias de uma fábrica de tecidos, situada na cidade norte americana de Nova Iorque, fizeram uma grande greve. Ocuparam a fábrica e começaram a reivindicar melhores condições de trabalho, tais como, redução na carga diária de trabalho para dez horas (as fábricas exigiam 16 horas de trabalho diário), equiparação de salários com os homens (as mulheres chegavam a receber até um terço do salário de um homem, para executar o mesmo tipo de trabalho) e tratamento digno dentro do ambiente de trabalho.

A manifestação foi reprimida com total violência. As mulheres foram trancadas dentro da fábrica, que foi incendiada. Aproximadamente 130 tecelãs morreram carbonizadas, num ato totalmente desumano.

Porém, somente no ano de 1910, durante uma conferência na Dinamarca, ficou decidido que o 8 de março passaria a ser o "Dia Internacional da Mulher", em homenagem as mulheres que morreram na fábrica em 1857. Mas somente no ano de 1975, através de um decreto, a data foi oficializada pela ONU (Organização das Nações Unidas).

Ao ser criada esta data, não se pretendia apenas comemorar. Na maioria dos países, realizam-se conferências, debates e reuniões cujo objetivo é discutir o papel da mulher na sociedade atual. O esforço é para tentar diminuir e, quem sabe um dia terminar, com o preconceito e a desvalorização da mulher.

Mesmo com todos os avanços, elas ainda sofrem, em muitos locais, com salários baixos, violência masculina, jornada excessiva de trabalho e desvantagens na carreira profissional. Muito foi conquistado, mas muito ainda há para ser modificado nesta história.

Por isso, a Nova Central Sindical dos Trabalhadores do Estado do Paraná parabeniza todas as mulheres!

DENÍLSON PESTANA DA COSTA 
Presidente da NCST/PR

 

NOTA DAS CENTRAIS SINDICAIS SOBRE A EDIÇÃO DA MP 873

Clique aqui para baixar nota de orientação jurídica das centrais sindicais

A edição da MP 873 pelo presidente Bolsonaro é um grave ataque contra o princípio da liberdade e autonomia sindical e o direito de organização dos trabalhadores, dificultando o financiamento das entidades de classe, no momento em que cresce no seio da classe trabalhadora e do conjunto da sociedade a resistência ao corte de direitos de aposentadoria e previdenciários em marcha com a apresentação da proposta de Reforma da Previdência que já tramita no Congresso Nacional.

As centrais sindicais, os sindicatos, federações e confederações de trabalhadores tomarão todas as medidas de caráter legal e junto ao Congresso Nacional, as bancadas dos partidos políticos, e mobilizações para derrotar a MP 873 e os ataques contra o movimento sindical, que também são ataques contra a democracia brasileira duramente conquistada. 

Reunidas em São Paulo nesta data, as centrais sindicais orientam que:

- A MP 873 não altera o desconto em folha de pagamento das mensalidades associativas e outras contribuições constantes nas Convenções e Acordos Coletivos aprovados em assembleias;

- Os empregadores que não efetivarem os referidos descontos, além da ilegalidade, incorrerão em práticas antissindicais e sofrerão as consequências jurídicas e políticas dos seus atos;

- As centrais sindicais denunciarão o governo brasileiro na Organização Internacional do Trabalho (OIT) e demais organismos internacionais por práticas antissindicais;

- O coletivo jurídico das centrais sindicais construirá estratégias unitárias para orientar seus filiados e recomenda que nenhuma medida jurídica relativa à MP 873 seja tomada individualmente.

É oportuno reforçar que as centrais sindicais e o conjunto do movimento sindical já convocaram, para o dia 22 de março próximo, o Dia Nacional de Lutas contra o fim das Aposentadorias e por uma Previdência Social Pública, quando serão realizados atos públicos, greves, paralizações e mobilizações contra o projeto da reforma da previdência do presidente Bolsonaro, um processo de mobilização crescente dos trabalhadores e da sociedade civil em defesa dos seus direitos sociais, econômicos, de aposentadoria e previdenciários.


São Paulo, 7 de março de 2019.


Vagner Freitas – Presidente da CUT

Miguel Torres – Presidente da Força Sindical

Adilson Araújo – Presidente da CTB

Ricardo Patah – Presidente da UGT

José Calixto Ramos – Presidente da NCST

Antonio Neto – Presidente da CSB 

Ubiraci Dantas de Oliveira – Presidente da CGTB

Atnágoras Lopes -  Executiva Nacional da CSP-Conlutas

Edson Carneiro  Índio – Secretário-geral da Intersindical

 

 

Conselho Deliberativo da NCST se reúne em Brasília

WhatsApp Image 2019 02 20 at 17.04.56 1

Em reunião extraordinária, o Conselho deliberativo da NCST - Nova Central Sindical de Trabalhadores, esteve reunido na tarde desta quarta-feira, 20, na capital Federal. 

O encontro que ocorreu na sede da CNTI - Confederação Nacional dos Trabalhadores na Indústria, teve como pauta os ajustes necessários a serem realizados, bem como, as ações da Central frente os desafios vindouros à classe trabalhadora.

Representando a Nova Central Sindical de Trabalhadores do Estado do Paraná, esteve o presidente da entidade, companheiro Denílson Pestana da Costa.

 

Em Curitiba, “panfletaço” alerta para o fim da aposentadoria

RESOLUÇÃO DAS CENTRAIS 

No Terminal Guadalupe centrais, sindicatos e movimentos sociais entregam materiais informativos e dialogam com a população.

A imagem pode conter: 10 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas em pé

Nesta quarta-feira (20) enquanto trabalhadores e trabalhadoras de todo o Brasil participavam de uma grande Assembleia Nacional, em São Paulo, as centrais, sindicatos e movimentos sociais discutiam, em Curitiba, o fim da aposentadoria com a população.

A imagem pode conter: 1 pessoa, em pé

Um “panfletaço” foi organizado no Terminal Guadalupe, no centro de Curitiba, onde há grade trânsito de pessoas, sobretudo para as cidades da região metropolitana.

A imagem pode conter: 1 pessoa

O texto de Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que pretende alterar o regime de aposentadoria no Brasil foi entregue por Bolsonaro ao presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM), na manhã de quarta-feira (20).  O projeto contém vários itens divulgados anteriormente pela imprensa, como a idade mínima de 65 anos para homens e 62 anos para mulheres. Outro ponto do projeto é o “pedágio”, ou seja, será necessário trabalhar mais e contribuir por mais tempo.

A imagem pode conter: 1 pessoa, em pé

 

Rita de Cássia é eleita presidente do SOM São José dos Pinhais

WhatsApp Image 2019 02 19 at 21.21.51

No final da tarde desta última terça-feira (19/02), os senhores Denílson Pestana da Costa (Presidente da NCST/PR), Reinaldim Barboza Pereira (Secretário Geral da NCST/PR) e Sirlei Cesar de Oliveira (Secretário Geral da FETRACONSPAR), estiveram participando da reunião de remanejamento da diretoria do Sindicato dos Oficiais Marceineiros de São José dos Pinhais. 


Na reunião que ocorreu na sede da entidade, localizada na Rua Wilson Luciano Vion, n.º 155 em São José dos Pinhais/PR, a Companheira Rita de Cássia Assis Santos - Diretora de Assuntos de Seguridade Social, Aposentados e Pensionistas da NCST/PR, foi eleita para comandar o Sindicato dos Oficiais Marceineiros de São José dos Pinhais até dezembro de 2019. 

 

FILIE-SE

reducao-jornada-ncst2

carteira-assinada-ncst

Quem está online?

Nós temos 614 visitantes online

Acesso Restrito

Rede NCST Sindical

ncst-rede