Salário mínimo pode subir até 9,56% no Paraná

Reajuste do salário mínimo regional será debatido em fevereiro
 

Representantes do governo estadual, trabalhadores e setor patronal se reuniram nesta terça-feira (14), na Secretaria de Estado do Trabalho, Emprego e Economia Solidária, para definir as datas das próximas reuniões do grupo de trabalho criado para debater a o reajuste do salário mínimo regional do Paraná deste ano. 


As três propostas de aumento encaminhadas pela Secretaria do Trabalho ao Conselho Estadual do Trabalho preveem índices de 9,56%, 9,19% e 8,87%, todos superiores ao reajuste de 6,78% que elevou o mínimo nacional a R$ 724 neste ano. No ano passado, o aumento do piso paranaense foi de 12,7%, contra 9% do nacional. 


Durante o encontro foram definidas as datas das duas próximas reuniões que irão acontecer nos dias 4 e 18 do mês de fevereiro, sendo que na reunião do dia 18 será definida a data de uma terceira e última reunião do grupo, que anunciará se houve ou não consenso sobre uma das três opções já apresentadas ou a criação de um novo índice de reajuste do salário mínimo regional. 


O secretário estadual do Trabalho, Luiz Claudio Romanelli, disse que se não houver consenso na aprovação de uma das propostas ou na criação de um novo índice de reajuste até o dia 31 de março, será enviada ao governador e, posteriormente, para votação na Assembleia o texto inicial, com as três propostas. 


Na reunião do dia 4 será definida uma data para que técnicos do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), do Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (Ipardes) e do setor patronal se reúnam para expor suas metodologias de produtividade. “O objetivo é criar uma interação entre os setores que produzem dados utilizados como base, por exemplo, no reajuste do mínimo regional, garantindo, assim, mais legitimidade e transparência nas estatísticas de cada setor”, explicou Carlos Walter. 


Além da análise das três propostas, temas como a qualificação profissional, valorização do emprego no setor industrial, antecipação da data-base de reajuste do mínimo, informalidade, rotatividade no emprego e saúde e segurança no trabalho serão debatidas nas próximas reuniões do grupo. 


PROPOSTAS - Os três métodos de reajuste têm como base estudos da Secretaria do Trabalho, Dieese e Ipardes: 


Opção 1 - Reajuste de 9,56%, equivalente à média das variações reais do PIB brasileiro nos últimos três anos mais a variação anual do INPC. 


Opção 2 - Aumento de 9,19%, referente ao índice de atividade econômica regional do Paraná (IBCR-PR), calculado pelo Banco Central, mais a variação anual do INPC. 


Opção 3 - Reajuste de 8,97%, equivalente à variação nominal (em 12 meses) do salário médio de admissão de grandes grupos ocupacionais abrangidos pela política do salário mínimo regional, segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). 


“Acredito que nas próximas reuniões chegaremos num consenso sobre o reajuste do mínimo, uma vez que já temos três opções de valorização a serem analisadas”, destacou Nuncio Mannala, chefe do Departamento de Políticas Públicas de Relações do Trabalho, da Secretaria do Trabalho, e membro do Conselho Estadual do Trabalho. 

Carlos Walter Martins Pedro, vice-presidente da Federação das Indústrias do Estado do Paraná (FIEP), destacou a importância do grupo na criação de uma proposta consensual. “Essa interação entre os setores patronal, trabalhadores e governo é muito importante para chegarmos num índice de reajuste definido com a participação de todos os setores”, frisou ele. 


Para o presidente da Nova Central Sindical de Trabalhadores do Paraná, Denílson Pestana da Costa, a expectativa é que o grupo aproveite a oportunidade que o governo estadual deu para construir um consenso sobre o reajuste. “A oportunidade agora é regular um setor da economia paranaense que não tem sindicado e também buscar a construção uma política permanente de valorização do mínimo regional”. 

Participaram da reunião Denilson Pestana da Costa (presidente da Nova Central Sindical de Trabalhadores do Paraná e membro do Conselho Estadual do Trabalho do Paraná), Ernane Garcia Ferreira (diretor da Central Única dos Trabalhadores, presidente da Federação dos Trabalhadores na Indústria de Alimentação do Paraná e membro do conselho Estadual do Trabalho do Paraná), Ari Faria Bittencourt (presidente do Sindilojas e vice-presidente da Fecomércio do Paraná), Carlos Walter Martins Pedro (vice-presidente da Federação das Indústrias do Estado do Paraná – FIEP), Nuncio Mannala (chefe Departamento de Políticas Públicas de Relações do Trabalho da Sets e membro do Conselho Estadual do Trabalho do Paraná), Julio Takeshi Suzuki Júnior (diretor do Centro de Pesquisa do Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social – Ipardes), Horácio Monteschio (diretor-geral da Secretaria da Indústria, Comércio e Assuntos do Mercosul do Paraná- SEIM), João Francisco Zafaneli Cubas representante da Fecomércio e membro do Conselho Estadual do Trabalho do Paraná), Alexandre Donizete Martins (presidente do Sindicato dos Eletricitários de Curitiba e representante da União Geral do Trabalhadores do Paraná), José Pires (representante da Nova Central Sindical de Trabalhadores do Paraná), Sandro Silva (supervisor técnico do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos – Dieese) e Hélio Bampi (representante da Federação das Indústrias do Estado do Paraná – Fiep) e diretor do Sindicato das Industrias e Empresas de Instalação, Operacao e Manutenção de Redes, Equipamentos e Sistema de Telecomunicações do Paraná). 

Última atualização ( Qui, 16 de Janeiro de 2014 09:19 )
 

Aos companheiros da Nova Central

A Nova Central Sindical de Trabalhadores nasceu autônoma e independente dos partidos políticos e aos governos. Nossa central é a partidária, mas não a política. É papel das entidades sindicais discutirem e debateram os projetos que serão apresentados à população e aos trabalhadores neste ano (2014) de eleições para Deputado Estadual, Deputado Federal, Senador, Governador e Presidente da Republica.

Nossa relação com os partidos tem ocorrido nas negociações dos temas que envolvem os trabalhadores em cada nível de governo (Prefeitos, Governadores e com o Governo Federal), ou com os parlamentares (Vereadores, Deputados Estaduais, e Federais), nesta última, com êxito na maioria das questões demandadas pelos trabalhadores.

Hoje a nossa atuação no legislativo está cada vez mais difícil, os empresários mudaram a sua forma de se relacionar com o poder. Na década de 80, 90 eram poucos os empresários que abandonavam suas atividades empresariais para se dedicar a uma atuação no parlamento brasileiro. O quadro desenhado pelo Diap - Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar é outro, o empresariado que até então financiava as campanhas eleitorais, tomaram a decisão política de não mais terceirizar o poder, assumiram eles próprios a responsabilidade de defender seus interesses, com uma bancada de 246 deputados e 27 senadores no congresso nacional, situação que não é diferente nas câmaras municipais e nas assembleias legislativas, enquanto a bancadas dos trabalhadores é de somente 91 congressistas, sendo 83 deputados e 08 senadores.

A Nova Central em seu Congresso Estadual realizado em outubro deste ano, desenvolveu um plano de ação para o próximo ano, onde definiu que a entidade terá uma atuação forte nas eleições de 2014, realizando reuniões, debates e seminários para tratar desta questão.

O objetivo é incentivar os ativistas e militantes sindicais das entidades filiadas à Nova Central Sindical de Trabalhadores a atuarem em mais uma frente de luta, a luta política partidária e dar um passo a frente na defesa das bandeiras históricas da classe trabalhadora.

Os protestos realizados em junho deste ano mostraram a insatisfação da população com a saúde, transporte público, educação, corrupção, entre outros, porém, tanto estas quanto diversas outras bandeiras levantadas pelo povo brasileiro só serão atendidas, se tomarmos consciência do nosso poder e mudarmos o quadro político nas urnas, votando em candidatos que realmente represente nossos interesses no Congresso Nacional.


Foto


DENÍLSON PESTANA DA COSTA
Presidente da NCST/PR

Última atualização ( Seg, 23 de Dezembro de 2013 17:21 )
 

SOMPAR realiza Festa de Confraternização.

O Presidente da Nova Central Sindical de Trabalhadores do Estado do Paraná, Denílson Pestana da Costa, esteve neste domingo (15) participando da Festa de Natal do SOMPAR - Sindicato dos Oficiais Marceneiros do Estado do Paraná, entidade presidida pelo companheiro Altamir Laureano da Silva.

O evento realizado na Sede social da entidade em Curitiba, contou com a presença de 800 associados e representantes do Sindicato, que puderam contar com a distribuição de presentes para as crianças, refrigerante, pizza, algodão doce, sorvete e vários brindes como: geladeira, fogão,microondas, bicicleta etc... que foram sorteados durante o dia.

A Banda Guerreiros da Paz animou toda à Festa.


 

Dirigentes da Nova Central do Paraná participam da reunião do Conselho Deliberativo da NCST em Brasília/DF

11-12-2013-foto

O Presidente da Nova Central Sindical de Trabalhadores do Estado do Paraná, Denílson Pestana da Costa, acompanhado dos Senhores, Alcir Antônio Ganassini (Vice-Presidente da NCST/PR), Gerti José Nunes (Vice-Presidente da Região Sul da NCST/PR) e Geraldo Ramthun (Diretor de Organização Sindical da NCST), participa nesta quarta-feira (11) da reunião do Conselho Deliberativo da NCST nas dependências do Hotel San Marco, Setor Hoteleiro Sul - Quadra 05 - Bloco “C” em Brasília (DF), para tratar da seguinte ordem do dia:


 

a) Deliberar a respeito do relatório da diretoria referente ao exercício (2012);


b) Deliberar a respeito da prestação de contas da diretoria executiva referente ao exercício de 2012; com o respectivo parecer do Conselho Fiscal;


c) Deliberar a respeito da previsão orçamentária relativa ao exercício de 2014, como respectivo parecer do Conselho Fiscal;


d) Assuntos gerais.

Última atualização ( Qua, 11 de Dezembro de 2013 10:50 )
 

Inauguração da Sede Campestre do Sintropab

O Presidente da Nova Central Sindical de Trabalhadores do Estado do Paraná, Denílson Pestana da Costa, esteve presente neste sábado (07) na inauguração da Sede campestre do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Pato Branco, Entidade presidida pelo companheiro Ênio Antônio da Luz, atual Vice-Presidente da Região Sudoeste da NCST/PR.

 

logotvncst

FILIE-SE

reducao-jornada-ncst2

carteira-assinada-ncst

Quem está online?

Nós temos 84 visitantes online

Acesso Restrito

Rede NCST Sindical

ncst-rede