Notícias NCST/PR



Presidente da NCST Paraná participa da III Semana Edésio Passos

A imagem pode conter: 4 pessoas

O Presidente da Nova Central Sindical de Trabalhadores do Estado do Paraná, Denílson Pestana da Costa, acompanhado dos senhores Reinaldim Pereira Barboza (Presidente da FETRACONSPAR) e Cesar de Oliveira (Secretário Geral da FETRACONSPAR), participa, no Salão Nobre da Faculdade de Direito da Universidade Federal do Paraná da III Semana Edésio Passos, evento organizado pelo instituto Edésio passos e pela UFPR.

A III Semana Edésio Passos, em homenagem a esse grande jurista e cidadão, debate temas importantes como “O papel da Universidade pública na defesa da Democracia”, “Democracia e o Mundo do Trabalho”, “A Democracia como valor universal: desafios e perspectivas no Brasil”, “Parlamento, Democracia e Resistência”, entre outros assuntos.

A imagem pode conter: 7 pessoas, incluindo Almir Carvalho

 

Centrais sindicais e movimentos chamam ato nesta sexta contra desmonte da Previdência

c22af9f3 77a3 487b bcd8 57212167b8cd

Nesta sexta-feira, dia 22, diversas cidades do Brasil realizam atos e protestos da jornada nacional de Luta em Defesa da Previdência. A resistência é organizada por dez centrais sindicais e as Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo.

Em janeiro, o governo de Jair Bolsonaro mandou para o Congresso a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) nº 6/2019, que representa o desmonte da Previdência Pública, o fim das aposentadorias e da proteção social para idosos, pensionistas e pessoas com deficiência carentes.

Por outro lado, a proposta de reforma, que o governo chama de ‘Nova Previdência’, cria um sistema de capitalização individual das contribuições previdenciárias e um fundo bilionário a ser administrados por bancos privados.

Além disso, ela libera as empresas de pagarem a multa de 40% sobre o saldo do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) e os recolhimentos mensais para os aposentados que trabalham.

A proposta de mudança nas regras da aposentadoria dá tratamento especial e mais brando para militares e não fala nada sobre a taxação das grandes fortunas ou contribuição sobre o lucro das empresas com alto grau de robotização, mecanização e poucos funcionários.

A PEC 06/19 também desconstitucionaliza as regras da aposentadoria, abrindo uma porta para uma precarização ainda maior no futuro.

As centrais sindicais acreditam que esta será a primeira grande mobilização deste ano contra o desmonte da Previdência, e apostam que ela será um motor para que os trabalhadores realizem uma greve geral nos próximos meses capaz de barrar a reforma, assim como aconteceu em abril de 2017, quando cerca de 40 milhões de trabalhadores cruzaram os braços e derrotaram a proposta do governo de Michel Temer (MDB), na que foi considerada a maior mobilização da história do país.

Participam dos atos as centrais: CUT, Força Sindical, Intersindical - Central da Classe Trabalhadora, CTB, UGT, Nova Central, CGTB, CSP-Conlutas e Intersindical - Instrumento de Luta e Organização da Classe Trabalhadora e CSB.

Em Curitiba o ato deu inínio na Boca maldita, com um panfletaço pelo calçadão da XV de novembro até seu encerramento na praça Santos Andrade, em frente ao INSS. Participaram do Ato cerca de 5 mil pessoas.

481f1710 2925 47f0 b306 bb37ba1e1b25

WhatsApp Image 2019 03 22 at 14.10.00

WhatsApp Image 2019 03 22 at 14.10.55

 

Após reunião com senador Paim, presidente da Contratuh relaciona medidas em favor dos trabalhadores

O presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Turismo e Hospitalidad - Contratuh, Wilson Pereira,  e o vice-presidente da entidade, Moacyr Roberto Tesch Auersvald, se reuniram com o Senador Paulo Paim na manhã de ontem (12/03), no Senado Federal, para articulação contra Reforma da Previdência e MP 873.

Veja o pronunciamento do presidente, que também prestou esclarecimento sobre próximas medidas que serão tomadas pela Contratuh em favor dos trabalhadores e do movimento sindical.



Juntos Somos Fortes!

 

Dia Internacional da Mulher

A imagem pode conter: 1 pessoa, sorrindo, em pé, atividades ao ar livre, texto e natureza

No dia 8 de março de 1857, operárias de uma fábrica de tecidos, situada na cidade norte americana de Nova Iorque, fizeram uma grande greve. Ocuparam a fábrica e começaram a reivindicar melhores condições de trabalho, tais como, redução na carga diária de trabalho para dez horas (as fábricas exigiam 16 horas de trabalho diário), equiparação de salários com os homens (as mulheres chegavam a receber até um terço do salário de um homem, para executar o mesmo tipo de trabalho) e tratamento digno dentro do ambiente de trabalho.

A manifestação foi reprimida com total violência. As mulheres foram trancadas dentro da fábrica, que foi incendiada. Aproximadamente 130 tecelãs morreram carbonizadas, num ato totalmente desumano.

Porém, somente no ano de 1910, durante uma conferência na Dinamarca, ficou decidido que o 8 de março passaria a ser o "Dia Internacional da Mulher", em homenagem as mulheres que morreram na fábrica em 1857. Mas somente no ano de 1975, através de um decreto, a data foi oficializada pela ONU (Organização das Nações Unidas).

Ao ser criada esta data, não se pretendia apenas comemorar. Na maioria dos países, realizam-se conferências, debates e reuniões cujo objetivo é discutir o papel da mulher na sociedade atual. O esforço é para tentar diminuir e, quem sabe um dia terminar, com o preconceito e a desvalorização da mulher.

Mesmo com todos os avanços, elas ainda sofrem, em muitos locais, com salários baixos, violência masculina, jornada excessiva de trabalho e desvantagens na carreira profissional. Muito foi conquistado, mas muito ainda há para ser modificado nesta história.

Por isso, a Nova Central Sindical dos Trabalhadores do Estado do Paraná parabeniza todas as mulheres!

DENÍLSON PESTANA DA COSTA 
Presidente da NCST/PR

 

NOTA DAS CENTRAIS SINDICAIS SOBRE A EDIÇÃO DA MP 873

Clique aqui para baixar nota de orientação jurídica das centrais sindicais

A edição da MP 873 pelo presidente Bolsonaro é um grave ataque contra o princípio da liberdade e autonomia sindical e o direito de organização dos trabalhadores, dificultando o financiamento das entidades de classe, no momento em que cresce no seio da classe trabalhadora e do conjunto da sociedade a resistência ao corte de direitos de aposentadoria e previdenciários em marcha com a apresentação da proposta de Reforma da Previdência que já tramita no Congresso Nacional.

As centrais sindicais, os sindicatos, federações e confederações de trabalhadores tomarão todas as medidas de caráter legal e junto ao Congresso Nacional, as bancadas dos partidos políticos, e mobilizações para derrotar a MP 873 e os ataques contra o movimento sindical, que também são ataques contra a democracia brasileira duramente conquistada. 

Reunidas em São Paulo nesta data, as centrais sindicais orientam que:

- A MP 873 não altera o desconto em folha de pagamento das mensalidades associativas e outras contribuições constantes nas Convenções e Acordos Coletivos aprovados em assembleias;

- Os empregadores que não efetivarem os referidos descontos, além da ilegalidade, incorrerão em práticas antissindicais e sofrerão as consequências jurídicas e políticas dos seus atos;

- As centrais sindicais denunciarão o governo brasileiro na Organização Internacional do Trabalho (OIT) e demais organismos internacionais por práticas antissindicais;

- O coletivo jurídico das centrais sindicais construirá estratégias unitárias para orientar seus filiados e recomenda que nenhuma medida jurídica relativa à MP 873 seja tomada individualmente.

É oportuno reforçar que as centrais sindicais e o conjunto do movimento sindical já convocaram, para o dia 22 de março próximo, o Dia Nacional de Lutas contra o fim das Aposentadorias e por uma Previdência Social Pública, quando serão realizados atos públicos, greves, paralizações e mobilizações contra o projeto da reforma da previdência do presidente Bolsonaro, um processo de mobilização crescente dos trabalhadores e da sociedade civil em defesa dos seus direitos sociais, econômicos, de aposentadoria e previdenciários.


São Paulo, 7 de março de 2019.


Vagner Freitas – Presidente da CUT

Miguel Torres – Presidente da Força Sindical

Adilson Araújo – Presidente da CTB

Ricardo Patah – Presidente da UGT

José Calixto Ramos – Presidente da NCST

Antonio Neto – Presidente da CSB 

Ubiraci Dantas de Oliveira – Presidente da CGTB

Atnágoras Lopes -  Executiva Nacional da CSP-Conlutas

Edson Carneiro  Índio – Secretário-geral da Intersindical

 

 
Página 1 de 120

Acesso Restrito

Rede NCST Sindical

ncst-rede