Arrocho fiscal de Bolsonaro e Paulo Guedes leva governo à paralisia

O arrocho fiscal da equipe econômica comandada pelo ministro da Economia, Paulo Guedes está levando a administração pública à paralisia Reportagem do jornalista Bernardo Caram, na Folha de S. Paulo aponta que a compressão sem precedentes no Orçamento federal já leva o governo a monitorar o risco de paralisia em programas de ministérios por falta de dinheiro.


A liberação de bolsas de estudo já foi suspensa e atividades da Polícia Federal estão prejudicadas.


As reclamações são generalizadas na Esplanada dos Ministérios que estão sem recursos para tocar o dia a dia da administração pública.


A situação só tende a piorar. O primeiro Orçamento elaborado sob a gestão de Jair Bolsonaro será ainda mais apertado. O governo terá de apresentar a proposta final para o Orçamento de 2020 nas próximas duas semanas, já que o prazo para envio do texto ao Legislativo vence no dia 31.


A falta de recursos prejudica a maior parte dos órgãos do governo. Nesta quinta-feira (15), o CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Cientifico e Tecnológico) anunciou a suspensão de aproximadamente 4,5 mil bolsas de iniciação científica, mestrado e doutorado que seriam distribuídas às universidades.


O Ministério da Educação, que sofreu o maior bloqueio de verbas, está com R$ 6,2 bilhões travados e não tem recursos para dar continuidade a programas, enquanto que na PF (Polícia Federal), a restrição atinge programas de qualificação, viagens e investigações.

Na área habitacional, os repasses do programa Minha Casa Minha Vida estão atrasados.


Mais órgãos devem suspender serviços por falta de dinheiro.

Fonte: Brasil247

 

Acesso Restrito

Rede NCST Sindical

ncst-rede